Massagem Relaxante na Gravidez e Pós-parto: um toque de amor e carinho para você e seu bebê.

A chegada de um novo ser humano é um momento único na vida do casal. A mulher sente um misto de emoções de plenitude e alegria, mas também de medo e insegurança. A massagem relaxante proporciona profundo relaxamento, aumentando a conexão entre a mãe e o bebê e fortalecendo os laços de amor, segurança e acolhimento. Estudos científicos demonstram que gestantes que recebem massagem têm menores níveis de estresse, dores e depressão e melhor qualidade do sono. Após a chegada do bebê, a massagem relaxante também é muito indicada, proporcionando alívio das dores na coluna, diminuindo a ansiedade e favorecendo o relaxamento global.

A massagem é aplicada com óleos ou cremes associados à aromaterapia, trazendo um efetivo bem estar e sensação de conforto e tranquilidade.

Drenagem Linfática Manual

A Drenagem Linfática Manual é uma massagem suave, lenta e rítmica, que ajuda a reduzir a retenção de líquidos e diminuir os edemas (inchaços) comuns durante a gravidez. O fisioterapeuta, especialista em Fisioterapia Descongestiva Complexa, pressiona e desliza a mão por todo o corpo, direcionando o excesso de líquido para os gânglios linfáticos, de onde será levado de volta aos vasos linfáticos e, posteriormente, eliminado pela urina, auxiliando no alívio de problemas circulatórios e aumentando a oxigenação tecidual da mãe e do bebê. Essa técnica pode ajudar a diminuir sintomas como enxaqueca, insônia, constipação intestinal, peso nas pernas e fadiga.

A drenagem linfática manual somente pode ser realizada em gestantes após liberação pelo médico obstetra.

Possíveis dúvidas…

1-    A grávida pode fazer massagem? Todos os tipos?

A gestante deve fazer massagens somente após liberação do médico obstetra, normalmente após o primeiro trimestre de gestação, com profissional especializado que seja capaz de avaliar as indicações e contra-indicações para cada tipo de técnica. As mais comumente procuradas são a massagem relaxante e a drenagem linfática.

A massagem relaxante proporciona diminuição das tensões e profundo relaxamento, aumentando a conexão entre a mãe e o bebê e fortalecendo os laços de amor, segurança e acolhimento. Estudos científicos demonstram que gestantes que recebem massagem têm menores níveis de estresse, dores e depressão e melhor qualidade do sono.

Durante o trabalho de parto, técnicas específicas de massagem na coluna também auxiliam na diminuição das tão temidas dores de parto. A massagem feita na região da coluna de onde saem as fibras nervosas que inervam o útero e canal do nascimento estimula fibras que chegam mais rapidamente ao cérebro que as fibras de condução de dor, de forma que a mulher tende a ter menor percepção do estímulo doloroso das contrações.  Além disso, a massagem estimula a liberação de substâncias (opióides endógenos, como a endorfina) que inibem a dor, além de aumentar o fluxo sanguíneo em várias regiões do cérebro envolvidas na regulação do estresse. Pela possibilidade de atenuar a dor, trata-se de um recurso capaz de trazer uma melhor experiência emocional do trabalho de parto.

Após a chegada do bebê, a massagem relaxante também é muito indicada, proporcionando alívio das dores na coluna, diminuindo a ansiedade e favorecendo o relaxamento global.

Já a Drenagem Linfática Manual é uma massagem suave, lenta, rítmica e superficial, que ajuda a reduzir a retenção de líquidos e diminuir os edemas (inchaços) que ocorrem durante a gravidez. Apesar de muitas gestantes procurarem a drenagem para não apresentarem edema, é importante destacar que, na gestação, o edema ocorre por efeito de hormônios, não sendo possível, portanto, eliminá-lo completamente. Ele pode ser atenuado, mas a tendência é sempre inchar novamente após algumas horas. No entanto, como em algumas gestantes o edema causa incômodo, levando à dor, sensação de peso, câimbras noturnas e formigamentos nos membros inferiores, a drenagem linfática manual pode trazer grande conforto e bem-estar.

O fisioterapeuta, especialista em Fisioterapia Descongestiva Complexa, pressiona e desliza a mão por todo o corpo, direcionando o excesso de líquido para os gânglios linfáticos, de onde será levado de volta aos vasos linfáticos e, posteriormente, eliminado pela urina, auxiliando no alívio de problemas circulatórios e aumentando a oxigenação tecidual da mãe e do bebê. Essa técnica pode ajudar a diminuir sintomas como enxaqueca, insônia, peso nas pernas e fadiga.

2-    Existe algum caso onde existe a restrição desses procedimentos para a gestante?

Gestantes com alteração na pressão arterial, perda de sangue e/ou líquido e infecções ativas não devem fazer drenagem linfática manual. Além disso, gestantes que apresentarem contrações abdominais frequentes durante a realização da massagem no pré-natal devem interromper as sessões e serem avaliadas pelo médico obstetra. Massagens profundas na região abdominal são contra-indicadas ao longo de toda a gestação.

Um cuidado importante é evitar a posição de decúbito dorsal (“barriga para cima”) por tempo prolongado, já que ocorre compressão da veia cava inferior e diminuição do fluxo de sangue para or órgãos da  mãe e consequentemente do bebê.

3-    A massagem pode ajudar a aliviar os sintomas da gravidez, principalmente as dores nas costas?

Sim, mas ela é apenas um dentre vários outros recursos importantes para a melhora das dores relacionadas ao sistema musculoesquelético. É muito comum encontrarmos na clínica gestantes que têm alívio apenas temporário das dores com as massagens, pois não fizeram correção ergonômica do ambiente de trabalho, mudanças nos padrões incorretos de movimentos que realizam no dia a dia e exercícios específicos propostos por um fisioterapeuta após avaliação específica. O alívio dos sintomas álgicos depende de múltiplos fatores, que devem ser sempre integrados para o alcance de resultados terapêuticos satisfatórios e mais permanentes.

4-    Como a mulher pode escolher o profissional?

A escolha do profissional deve ser feita de maneira criteriosa. Dar preferência a profissionais que tenham feito cursos conceituados, tenham especialização em Obstetrícia e boas referências do médico da confiança da gestante ou de outros profissionais de saúde. É fundamental que quaisquer técnicas sejam introduzidas somente após avaliação específica de um profissional capacitado pois, se realizadas de maneira incorreta, podem trazer consequências negativas para a mãe e para o bebê.